Perdido por cem, perdido por mil. Um óbvio absurdo.

É muito comum, em situação económica difícil ou pré-insolvência, ver os empresários adotarem uma postura de “tudo ou nada”.

Os cortes de crédito, o não saber que dizer aos fornecedores, a desmotivação da equipa, enfim, o medo do futuro, leva pessoas outrora sensatas a adotarem posturas radicais e a procurar soluções rápidas sem pensar nas consequências.

Perder cem é dez vezes menos do que perder mil e as consequências jurídicas e materiais da perda também são significativamente menores. Para quem tem a cabeça serena isto é óbvio, mas para quem está desesperado, não o é de todo.

É muito importante que os técnicos, sejam advogados ou consultores de gestão, consigam refrear esta espécie de galvanização maligna dos seus clientes. Para tal, é fundamental que se distanciem do problema, o olhem nas diferentes perspetivas que tem e por fim aconselhem num quadro de menor perda possível.

Num contexto em que o sucesso é medido pelo menor grau de arrependimento futuro, este pode muito bem ser o melhor serviço que podemos prestar.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Partilhe esta artigo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Artigos recentes

Artigos destacados